quarta-feira, 30 de abril de 2014

UM CONTO DOS VURDÓNS






Um conto dos Vurdóns

Contam que naquela cozinha não haviam paredes,
Que as folhas banavam o fogo e que a chuva chuvia arredor.

Costumavam se sentar todos, em tamboretes, bancos ou cocorocados sobre os joelhos e comerem em cuias de coco queimado e encerrado.

Naquela cozinha, colheres não faltavam,
Talhadas de tronco ... de arrueira talvez,
Mexiam os guizos, a fome, o medo e as histórias.

Naquela cozinha se sonhavam sonhos impossíveis, notícias tristes e tragédias anunciadas.
De fundo um Vurdón, de lado na mesma rima, a chegada e a saída,
De fundo um riacho e pela frente a estrada.

De anos que se passaram, resta a janela larga, sem paredes,
O desfecho de longas viagens e de amores acabados.

Dessa cozinha de lenha, ainda se esquenta o guizo, se retalha os legumes e se prepara a pururuca. Ainda se mata a fome e ainda se contam histórias.

Da mesa larga e das paredes de reboco,
Se vê o escuro da lenha, a verdade dos dias e a esperança do descanso.
Hoje, o riacho não passa em tubos, vem em canos,
A rua da chegada é a mesma da saída e a única saída é alimentada muitas vezes pelas lâmpadas fracas e pelo mundo que se abre a frente.

O que o moço não sabe; é que sempre haverá um Vurdón no coração de quem conta um conto. Um conto da rromá.

Cozinha dos Vurdóns

segunda-feira, 28 de abril de 2014

FRANGO COM MOLHO DE LEITE E TALOS DE BRÓCOLIS.





 
FRANGO COM MOLHO DE LEITE E TALOS DE BRÓCOLIS.

500grs de frango em pedaços, temperados com sal e limão. Acrescente 2 cebolas picadas e refogue em azeite até que doure. Coloque 1 copo de água e deixe cozinhar. 

Corte folhas de brócolis em tiras e coloque para cozinhar junto com o frango. Quando reduzir o líquido pela metade, acrescente 1 copo de leite misturado com meio copo de requeijão.


Misture e deixe reduzir e engrossar.

Sirva com arroz selvagem.

Cozinha dos Vurdóns

quarta-feira, 23 de abril de 2014

COZINHA DE CAMPANHA - PESCOÇO DE PERU



PESCOÇO DE PERU

1 bandeja de vagem tipo japonesa – limpe-as e corte os cabinho. Reserve.
1 cebola roxa picada e 1 cebola normal picada,
4 cabeças de alho bem picados,
1 limão – comum, retire e reserve o sumo; juntando com 2 colheres de sopa de azeite, 4 colheres de sopa de vinagre vermelho, 1 colher de sopa de sal, pimenta do reino  a gosto.
Reserve 2 colheres de sopa de mel.

Junte todos os temperos e coloque numa panela funda. Refogue até que a cebola já esteja bem macia. Acrescente o pescoço de peru já limpo e misture. Tampe a panela e deixe que a própria água se junte para o primeiro refogado.

Misture novamente e acrescente 2 xícaras de água quente e deixe cozinhar até ser reduzido pela metade. Destampe, acrescente a vagem e vá misturando até tenha que colocar pequena quantidade de água, tampando novamente a panela. Quando começar a fritar, misture e desligue. 

Por cá costumamos comer esse prato com uma bela salada de batatas com palmito e cenouras.

Cozinha dos Vurdóns

sábado, 19 de abril de 2014

ARROZ DA AMIZADE - SAUDADE DOS AMIGOS.



Quando a gente era pequena, como qualquer criança ... eu acho!!! Ninguém era fã de verdura. Um dia, uma tia que costumava ficar conosco, lá no interior de São Paulo, costumava dizer:
Vamos fazer um arroz da amizade? Para cada verdura tinha sempre uma qualidade e uma criança ou adulto que estivesse presente. Sei hoje que era a única forma de deixar aquelas 9 crianças quietas e sem risco de se queimarem.


Pois bem, hoje fizemos esse arroz ... éramos 5, mas nos lembramos de muitas pessoas tão amadas e queridas. Estamos trabalhando muito e estamos muito felizes por isso, as coisas andam, basta que o foco esteja sempre em mente e a cozinha sempre foi boa pra isso.
Uma lavou o arroz – 2 xícaras grandes.

Com um cortador de lascas, outra picou 1 cenoura média e uma terceira foi buscar, separa e lavar as ervilhas. Tinha o milho, a cebola que devia ser picada bem fininha, o alho pra amassar e as 4 xícaras de água quente para colocar no forno.

Assim foi. Azeite na panela, arroz refogado, sal, legumes, água e 15’ em fogo baixo.
O bom de lembrar do passado é traçar estradas e rumos novos. Evitar os erros, entender onde deu errado e onde estava a chave da aliança que perdura. Esse foi o nosso arroz de sábado. Simples, tranqüilo e feliz. 

A cozinha dos vurdóns segue viagem e em breve vai andar pelo passado e pelo presente, levando aos nossos amigos a possibilidade de vencer os preconceitos, de reorganizar as esperanças e abrir clarões onde antes só havia guerra e discórdia. No fundo acho que o arroz tem esse poder ... talvez seja a mesa, não sei. Só sei que dá certo.
Saudades de todos.

Cozinha dos Vurdóns

CALDEIRADA DE PESCADA AMARELA



CALDEIRADA DE PESCADA AMARELA (coisa de avó)



4 postas cortadas em tiras ou cubos – reserve.

Numa panela de ferro, coloque alho em lascas, 2 cebolas grandes muito bem picadas e azeite – 2 colheres), acrescente 1 colher de sopa de manteiga. Deixe queimar e acrescente o peixe e um pouco de água – tampe e deixe juntar água. Tudo isso no fogo baixo tá? 
Será essa queimadinha que vai garantir o caldo moreno e encorpado. Acrescente o suco de 1 limão e 1 colher de sopa de sal. Coloque 1 copo de água e deixe cozinhar sem ficar mexendo. Sempre no fogo baixo.

Com uma boa farinha ou um arroz branco, fica de tirar o fôlego.

Essa era uma das comidas típicas de domingo, quando juntava aquele monte de neto e cada qual com um gosto. Frango, peixe, porco e carne de gado... 

Cozinha dos Vurdóns

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves