quarta-feira, 30 de julho de 2014

BRIGADEIROS



BRIGADEIROS



 Esses são a especialidade da casa - são feitos com cacau e com café. Por cá, são os campeões de venda e consumo.


Esse é o brigadeiro gourmet - pense você ganhando um presente assim?

Ou assim, para as festas de criança? coloca sucesso nisso.

Dos românticos aos simples, ele é o rei em terras brasileiras. Caiu no gosto de muita gente e podemos dizer que é unanimidade nacional.
Assim, resolvemos colher algumas imagens que retratam o quanto esse doce faz sucesso, quando se fala em festas e em presentear amigos queridos. A base da receita é muito simples e na mesa de muitos ciganos ele aparece de roupagem diferenciada, como recheio de guibanitza, por exemplo, ideia da Márcia Castilho ... como sumiu rapidinho, fico devendo a foto.


Esse é acrescido de creme de leite, na hora da panela - 4 colheres de sopa.

Receita base da Cozinha dos Vurdóns:

1 lata de leite condensado,
2 colheres de sopa de chocolate em pó
2 colheres de sopa de raspas de chocolate amargo,
1 colher de sopa rasa de manteiga com sal.

Misture tudo e leve ao fogo médio, até desprender do fundo da panela. Coloque numa travessa de vidro (Passe água gelada) ponha na geladeira para ganhar consistência.
Quando enrolar os brigadeiros, abuse da criatividade, como nas indicações abaixo.

Quando falamos de chocolate branco, fazemos o brigadeiro com 6 colheres de sopa de chocolate branco granulado ... maravilhoso.

Olha que divina essa idéia, mais durinho e com mais chocolate raspado, le vira quase um bombom.

Mas uma coisa legal que descobrimos, foi pegar duas idéias de páscoa e natal e fazermos de brigadeiro ... deu muito certo.

 



Compramos pequenas forminhas em formato de ovo e recheamos de brigadeiro.









 Rechear as bolinhas com brigadeiro, forrar com jornal para dependurar na arvore.

Por incrível que pareça, as feiras para as novidades de natal já começaram ... mas o Brigadeiro não sai de moda nunca.











Cozinha dos Vurdóns











terça-feira, 22 de julho de 2014

MULHERES DE ETNIA ROMANI - Dª ISABEL CASTILHO OU Dª SAVETA


Isabel Castilho – Saveta

Essa é a história de uma mulher brasileira   
que como muitas do seu tempo, 
presenciou um Brasil e suas várias faces. 
Ela é uma romli Caldarax.

No mês de maio do ano de mil novecentos e vinte e cinco, no dia 13 para ser mais exata, nascia Isabel Castilho, Saveta, seu nome entre os seus.  

Veio nas caravanas de fuga, da Argentina para o Paraguai e de lá pra cá, Brasil, terra mãe gentil, para essa romli, que por aqui chegou, atravessando matas, estados e territórios. País em que recebeu seu registro.

Aos doze anos de idade, já em terras Brasileiras, canta, brinca como criança, mas prepara o fogo, limpa a barraca, bate os colchões e vare os tapetes, prepara a papa, feita de arroz e cuida dos seus pais com malária. Foram 5 episódios ao todo. Na fuga da segunda grande Guerra Mundial a menina ainda criança ganha força da sua própria natureza errante, forja e molda com as dificuldades a futura mulher que seria, faz com o canto da Paloma Branca e os passos da dança cigana limpem seu coração.

Dona Saveta, hoje com seus 87 anos, registrada na cidade de Uberaba, já vendeu tacho, já viajou com cinema itinerante, já leu sorte, já dançou tango. 

A barraca ficou pra trás no ano de 1986, mas voltou a fazer parte em 1994. Assim, apenas em 2008 essa realidade muda novamente. Quando perguntamos se ela sente falta da vida nas caravanas ela diz: a vantagem é que se não gostamos de um lugar ou se esse lugar não gosta da gente, vamos embora. Não precisa ter desavença onde existem estradas. Somos livres. Se não nos querem aqui, se não vendemos nada, vamos. Hoje aqui, amanhã ali. Livres. Na casa temos mais conforto, é bom também.

Num tempo onde as perseguições e a discriminação se acirram cada vez mais, permanece ela, com sua sabedoria e sua fé. Cabe a ela manter a língua,  a oralidade da família, o elo entre a transição; o passado e o futuro dos netos e bisnetos, vistos pelos olhos de uma mulher que suportou o peso da guerra,  amargou a morte do marido e carregou com dignidade e honra o nome da família.

Quando sentada ao seu lado pergunto: se a senhora pudesse hoje dar um conselho aos outros roms e romlia, do mundo todo e aos nãos ciganos, o que diria? Diria para que deixassem Jesus entrar, a vida fica mais fácil e o fardo mais leve. A vida de cigano é sofrida, mas é divertida.

Aos 89 anos, dona Saveta ainda luta contra o racismo e o preconceito aos romani no Brasil, ainda se senta e conta como era no tempo das grandes festas, de quando a incerteza fazia a rota da estrada a seguir e de quando a polícia tratava de correr com eles, 2 ou 3 dias, depois de ganhar criança.

Ela é o retrato vivo da história falada, da oralidade e das lendas que não se contam mais. Ela é a mulher que carregou lenha e água, e que hoje mantêm sua vestimenta, orgulhosa do seu passado, feliz com suas conquistas e esperançosa num futuro melhor.
Dona Isabel Castilho é mãe do chefe da família Castilho de Aparecida de Goiânia, é Caldarax, avó de 12 netos e 18 bisnetos; e esse número não para de crescer, tudo isso é um pequeno tesouro, como uma pomba branca.

Ela guarda a resistência das mulheres, idosas, chefes de família, senhoras capazes de desafiar o destino. É real, brasileira e cigana; e como tantas outras, é invisível aos olhos de muitos, mas o mundo pode ser visto através de seus olhos até os dias de hoje.


Brasília – Julho de 2014
AMSK - Brasil

quarta-feira, 16 de julho de 2014

CUBOS DE PORCO Á CAMPONESA



CUBOS DE PORCO Á CAMPONESA 


1 kg de cubos de lombo e pernil – limpos e temperados com o caldo de 1 limão;

Refogue no azeite, com sal e alho – 3 dentes de alho e pique uma cebola bem picadinha;
Reseve os aspargos limpos e os tomates.

Coloque as batatinhas na água para cozinhar e ponha um pouco de sal – por cá não tiramos a casca.

Quando as batatas estiverem cozidas, refogue-as no azeite com sal e orégano, junto os tomates e salsinha fresca cortada.

Quando a carne estiver bem cozida – use uns dois copos grandes de água, deixe que ela segue e em seguida vai começar a fritar, então refogue novamente para ela ficar bem douradinha e junte o aspargo. Abaixe o fogo e tampe a panela.


Logo em seguida acrescente a batata e o tomate. Misture bem e coloque um pinguinho de água – só para subir o vapor, depois tampe deixe no bafo por 5 minutos.
Sirva em seguida.

Cozinha dos Vurdóns

segunda-feira, 14 de julho de 2014

PICADINHO DE GOULASH

Refogue 250 grs de pernil de porco com: azeite, cebola, alho e sal, acrescente 1/2 xícara de água com suco de limão e deixe ferver, secar e refogar novamente.

Acrescente 1 xícara de cebolinha picada - fresca, azeitonas e 250 grs de vagem cortadas, acrescente novamente a água, mas sem o limão e ponha umas 10 ameixas secas sem caroço. Tampe a panela e espere cozinhar, abaixe o fogo e volte a refogar quando a água secar.

Sirva em seguida.

Em dias como o de ontem, final da copa, tínhamos de comemorar a perda da Argentina de alguma forma, mesmo que discreta. Afinal, era o Maracanã e no Brasil, então ... perdemos para o campeão e para a excelente Holanda.

Sonharemos mais daqui a 4 anos.

Cozinha dos Vurdóns

sexta-feira, 4 de julho de 2014

MULHERES ROMANI EM FOCO

Com esse olhar, meio de cozinheira, nos juntamos a todas as outras que aqui vem nessa alegria que agora compartilhamos. Uma grata surpresa que agora colocamos em fotos...vale a pena apostar na utopia, ela pode acontecer.

No meio, Dª Saveta, com seus 89 anos recheados de luta e de muita garra, o pequeno a direita, representa a luta da continuidade, porque mulheres como a sua mãe; Márcia Castilho e sua avó, Dª Saveta, são uma dádiva.
Das mulheres de ontem, as mulheres de hoje - Ana Rolim e o pequeno Vitor, começando a escrever sua história.
 Aqui se contou a história como ela é.
Um encontro de mulheres e como costumamos dizer: mulheres acima de seus cargos, apenas mulheres. Silvany (SECONT) e Nadine (ONU Mulheres), ao lado de Dª Saveta. 
No centro, a senadora Vanessa Grazziotini, a mulher que apoiou a construção dessa pauta, tão importante no combate a discriminação e ao racismo. Ao lado a presidente da AMSK/Brasil e Claudia Lyra, reforçando e celebrando conosco esse momento ímpar.

A Mostra fica até dia 02 de agosto, quando recordamos o Porrajimos.

AMSK/Brasil

HE FOR SHE - ONU MULHERES




Essa cena emocionou a todas nós e nos encheu de orgulho. 

Ele por ela - He for She da ONU Mulheres do Brasil, marcou presença na Mostra fotográfica: Mulheres Romani, o filho da Dª Saveta, esposo da Márcia Castilho e pai de três lindas moças e do pequeno Samuel - Alexsandro Castilho, rom Caldarax, entrou na campanha, mostrando que essa é uma bandeira de todos nós, de todos os homens, de todas cores e de todas as raças.

Cozinha dos Vurdóns

PASTEL ASSADO



Pastel Assado


A massa folhada é um clássico muito respeitado nas casas dos roms. Em tortas de sal ou de doce, representa uma boa e tradicional opção.

Aproveitando isso, incluímos os pastéis, de massa folhada, um pouco mais grossa ou a comprada em rolo, para ser mais prática. Esses pastéis são de frango, mas já foram de creme de goiaba com queijo cremoso. 

 A dica do recheio aqui é o frango moído, que você pode comprar pronto ou simplesmente fazer isso em casa com um moedor de carne.


500 grs de peito de frango moído, refogado com 2 colheres de azeite, azeitonas picadas (umas 10), salsinha, cebolinha, cebola ralada (1 pequena), 1 dente de alho amassado, suco de ½ limão e 1 colher de sobremesa de flor de sal.

Coloque tudo junto e refogue bem. Quando começar a fritar, coloque água o suficiente para criar aquele caldinho leve (1/2 xícara de café). Desligue, tampe e deixe esfriar para rechear o pastel. Feche bem e coloque nas formas de assar, forradas com papel manteiga.

Fica crocante e sequinho. O bom desse pastel é que se quiser tirar as azeitonas ou acrescentar mais coisa, como milho e etc...você pode.

Cozinha dos Vurdóns

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves