segunda-feira, 19 de março de 2012

DA ORALIDADE AOS TORÕES DE CARAMELO


TORRÕES DE CARAMELO:

.1 kg de açúcar
.200 g de doce de leite
.200 g de chocolate ao leite em pedaços
.1 colher (sopa) de mantega
.1 copo (americano) de água

Modo de preparo

Misture todos os ingredientes em num tacho e leve ao fogo alto. Deixe ferver até dar o ponto de bala. Para verificar o ponto, ponha um pires com água fria na pia e pingue a mistura: se ela ficar dura e com jeito de enrolar, está pronta.

  
 Despeje em um mármore molhado e deixe amornar.

Corte pequenos pedaços do caramelo e ponha em uma travessa com água e gelo.







Mergulhe mesmo os torrões, não tenha medo, eles ficam brilhosos. Espere começar a endurecer e corte com a faca. Deixe secar sobre uma assadeira e embrulhe ou coloque-os dentro de um vidro.




SOBRE A ORALIDADE


Zingara
Paolo Vetri

Sobre as mulheres sabemos por certo do registro inegável da oralidade. Nela a principal preservação da língua. Não é diferente entre os romaní. A manutenção  e a educação e transmissão da religiosidade, das crenças e dos dogmas de fé que cada família professa. Nisso também não se distingue as romís.

A segurança de uma criança repousa quase sempre no colo materno, a manutenção da sua vida depende do alimento que brota dos seios fartos das mulheres.

Hoje sabemos que a experiencia de vida não deve ser banalizada, antes pelo contrário, ela carrega o inegável sentido de ser e de estar inserido no mundo e mais uma vez, as mulheres abraçam essa tarefa e fazem uso da oralidade.

Não digo apenas as mães, as avós possuem esse papel, as tias, as irmãs mais velhas e por fim as madrinhas. 
A luta no combate ao preconceito e a discriminação, seja de gênero ou étnica, começa em casa e é de lá, que nós mulheres escrevemos os primeiros passos de como seremos vistas no futuro.
Não se retira a responsabilidade do pai, ou parceiro, acrescenta-se apenas a visão de que hoje, nossas convicções de um mundo melhor e mais justo, passa sim por nós, não como meras espectadoras da formação separatista entre os sexos, mas na formação decisiva do carater de uma nação, de um povo e de toda a raça humana. 

 `` (...) Sendo macho, será condenado a acoite e trabalhos forçados nas galés, tratando se de fêmea seria degredada para Angola ou Cabo Verde, por toda a vida, sem levar consigo filho ou filha(...) ´´, Alvará de 28 de Fevereiro de 1720, Boletim do Conselho Ultramarino, Legislação Antiga, volume I, 1446-1754, p. 594.

 "O decreto de 11 de abril de 1718 chamava à atenção das autoridades locais para o policiamento das atividades dos ciganos: “foram degredados os ciganos do reino para a Praça da Cidade da Bahia, ordenando-se ao governador que ponha cobro e cuidado na proibição do uso de sua língua e gíria, não permitindo que se ensine a seus filhos, a fim de obter-se a sua extinção”.
Prof. Gil Francisco: jornalista, professor da Faculdade São Luis de França e membro do Inst. Histórico e Geográfico de Sergipe.

 Michel Kock - 1853

                      
Essa fêmea era uma romí, uma mulher cigana.
Essa e outras histórias ainda são contadas até hoje, a fim de
 que não se esqueça de um passado de luta, mas que isso não impeça o futuro.

Em março,
lembramos nossas mulheres,
todas elas, em todos os paíss e de todas as cores e situação,
de todas as etnias.

Cozinha dos Vurdóns

24 comentários:

  1. Esses torrões parecem magníficos! Tenho de tentar um dia... Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai gostar Margarida, duram muito. Essa receita contempla quase 100 torrões pequenos. È fácil e delicioso.

      bjs de todas nós

      Excluir
  2. Fantástica,esta sua postagem de hoje!Simplesmente maravilhosa!Parabéns!É preciso recolher da história todas as situações e fatos em que a sociedade,regida pelo desamor e pelo preconceito tentou extinguir a etnia romani!É preciso lembrar para que nuca mais aconteça!A história da humanidade ,infelizmente,esconde infinitas manchas escuras,nódoas terríveis,momentos de violação de corpos e almas,em que nós,ciganos fomos o bode expiatório de monarquias e de governos desumanos!Mas,graças à Dhiel,a verdade surge sempre à tona,passem os anos que passem,como uma fonte borbulhante que irrompe entre rochas...Que Sara seja louvada pela proteção,luz e amor,com que sempre nos brindou através dos anos e que nos faz corajosos e capazes de sobreviver em meio a tantas e injustas condições!Beijos esperançosos e tão doces quanto os torrões de caramelos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qurida Cezarina, precisamos conhecer o passado para que no presente tenhamos condição de organizar o futuro de forma mais justa. Hoje existem problemas dentro romani que se diferenciam entre as suas etnias e causam problemas também fora da sociedade onde vivem. Para tudo existe um porque e uma forma de reoorganizar as coisas. Que possamos dar a nossa parcela de contribuição a sociedade.

      bjs nossos

      Excluir
  3. Dos torrões trago boa lembrança, me de alguma coisa com mel, mas não sei dizer ao certo. Quanto a oralidade, a importancia da palavra, para acalentar, felicitar, instruir e ajudar na formação do carater e do mundo. As crianças romani são sortudas em contar com esse carinho das mulheres da família por mais tempo e depois pra vida inteira. Entretanto isso une todas as mulheres, a oralidade da cultura é feminina.

    um beijo carinhoso a todas e seguimos nessa luta.

    zerafim

    ResponderExcluir
  4. Todas as crianças que podem contar com o carinho, a atenção e a oralidade cultural de suas mães, possuem muita sorte sim. Bravas mulheres sempre e todas.

    bjs grandes,

    acho que vc se refere as balas de mel, não é?

    bjs nossos

    ResponderExcluir
  5. Amigas,
    Acabei de engordar 1 kilo apenas de olhar para as imagens dos torrões!!! Devem ser muito bons...
    É importantíssimo que os pais transmitam aos filhos a realidade e a história das suas gentes. Para evitar que estes no futuro sejam confrontados com versões erróneas, deturpadas e muito longe da realidade. É igualmente importante que esses testemunhos sejam registados para que fiquem para a posterioridade.
    Beijinhos para todas e continuação de bons cozinhados!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. È o que estamos tentando fazer, manter a oralidade e dar vida a registros que sirvam de mapa de navegação contra toda a miséria e perseguição que possa acontecer.
      E viva a utopia.

      Dica: come um torrãozinho e depois sai pra dançar, perde o quilo extra na certa.

      bjs nossos

      Excluir
  6. A palavra é a melhor arma para transformar o mundo. Oxalá todas as crianças tenham sempre a das mulheres que lhes querem e também a dos homens! Hoje que é o dia do Pai, vamos dar-lhes um voto de confiança, que sejam cada vez mais capazes de manifestar sem pudor os seus bons sentimentos e a sua ternura.
    Nunca tentaria fazer torrão, deve ser dificílimo.Alicante é a terra do bom torrão em Espanha, há-o de todas as cores e feitios, aqui há a tradição de comê-lo no Natal.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A palavra sendo a primeira, esperemos que a atitude e a ação alcancem os próximos degraus.
      Por aqui só comemoramos em agosto, ainda falta...felicidades para os de Portugal e Espanha.
      Não é dificil nada de fazer, mas podemos comer juntas em Alicante qualquer dia. Gostou da disculpa?

      bjs nossa querida Maria.

      Excluir
  7. Os caramelos, apesar de deliciosos, depressa se desfazem na boca. Ao contrário da cultura oral, que atravessa séculos, dinâmica e persistente na construção da identidade de um povo.
    Beijinhos e boa semana para todas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por isso que não podemos ficar parados esperando que o romanês se acabe, dando continuidade e preservando uma cultura que ainda sobre muito dessa doença chamada preconceito.

      bjs querida Sara e boa semana pra você.

      Excluir
  8. A linguagem dos gestos mesmo em silêncio

    por vezes são mais que as palavras

    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós precisamos acreditar na força das palavras. Quando se tenta preservar um povo, precisa-se de ambos, gestos que embalam palavras.

      bjs nossos

      Excluir
  9. Hoje não me falem em nada doce: parti um dente!

    Achei a última pintura muito linda.

    Beijinhos amigos
    (Estive sem computador)

    ResponderExcluir
  10. Imaginamos algo assim - sem computador. Ok, sem doce pra você hoje, o que queres pro jantar?
    Se cuida viu?,

    bjs grandes de todas nós

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente a História está cheia de exemplos indignos, por isso importa relembá-los para evitar que se repitam. A educação também se faz pelo exemplo, mas desta vez pelo exemplo que respeita e dignifica o outro e a oralidade será certamente um veículo precioso a preservar.

    Um abraço e uma doce semana ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando se lida com discriminação, minimizar o sofrimento é uma das saídas mais fácéis, a oralidade ajuda a impedir isso. Quando a usamos, como veículo educacional, realçamos a posibilidade de entendimento e multiplicamos ações.

      uma semana doce pra você também R e bjs de todas nós

      Excluir
  12. O doce deve ser divinal! e eu que gulosa sou, eheh.
    A fala é importante, o poder transmitir educação, humildade, segurança. Mas por vezes um olhar, um simples olhar diz tanto. Muito mais que mil palavras bonitas.
    7 beijos brilhantes

    ResponderExcluir
  13. É por isso que precisamos da oralidade na hora acertada, para não deixar morrer a cultura de um povo e dos olhares, para que a realidade sucumba o estereótipo.

    Quando fizermos mais, guardo uns saquinho para essa orquídea formiguinha

    ResponderExcluir
  14. será que funciona se eu substituir o doce de leite por creme de leite?

    beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, penso que se for um creme de leite mais incorpado não teria problema.
      Se tentar nos diga tá?

      um abraço de todas nós

      Excluir
  15. Começando pela história que se constrói de signos e símbolos que se transportam para sempre só me resta dizer que belo!

    Focando a legislação que é parte da história que se conhece é intemporal e vimos quão preciso é lutar pela dignidade.

    Finalmente, os caramelos têm um ar delicioso. Na meida do possível irei estar atenta à história das mulheres.

    Beijinhos mil. :)

    ResponderExcluir
  16. Obrigada minha querida, a oralidade por certo é nossa arma no combate a descriminação. A dignidade é algo que se constrói aos poucos, mas sempre em guarda.

    bjs muitos

    ResponderExcluir

Sejam todos bem vindos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves