ESCONDIDINHO DE MANDIOCA COM CALABRESA.


ESCONDIDINHO DE MANDIOCA COM CALABRESA.
UM RECEITA
UM FOLCLORE BRASILEIRO


Aqui vamos nós...esses dias foram de agitação e muito trabalho, pra variar.
Pra descontrair um pouco, recriamos uma receita que é conhecida por muitos com ESCONDIDINHO.
O nosso foi de mandioca (macaxeira) e calabresa. Era servida como uma torta quente, a noite.

 
ESCONDIDINHO DE MANDIOCA COM CALABRESA.



Coloque a mandioca pra cozinhar (700 grs) e deixe que ela quase desmanche, depois passe pele espremedor de batatas – cozinhe sem sal. Reserve.





Em seguida vá preparando o recheio:



250 grs de linguiça calabresa fina – coloque pra cozinhar e assim retirar o excesso de gordura.
1 cebola ralada,
4 dentes de alho amassados, cebolinha picada,
Ameixa preta picada,
Salsa desidratada ou da comum.


Molho de tomate napolitano ( azeitona, manjericão e tomate, azeite, cebola e alho – refogue tudo no azeite, coloque sal e uma pitada de açúcar. Esse temos guardado em saquinho na geladeira, dura 1 Mês e congelado, dura muito mais. Vá colocando água até tudo ficar cozidinho e bem encorpado).

 recheio pronto

Para o purê de mandioca:


  Misture tudo até desgrudar da penela. Sempre mexendo.

Coloque a mandioca amassada na panela, com 1 colher de sopa bem cheia de manteiga (salgada) e 1 colher de sopa de azeite.
1 copo de requeijão culinário,
1 copo de leite,
Meio copo de queijo ralado – fino (opção).
Salsa desidratada.

 coloque numa vasilha de vidro a metade do purê de mandioca.

 coloque uma camada com todo o recheio.

cubra com o restante do purê e está pronto.

Folclore Brasileiro » A Lenda da Mandioca


Segundo essa lenda de origem indígena, há muito tempo numa tribo indígena a filha de um cacique ficou grávida sem nunca sem ainda ser casada.
Ao saber da notícia o cacique ficou furioso e a todo custo quis saber quem era o pai da criança. A jovem índia por sua vez, insistia em dizer que nunca havia namorado ninguém.
O cacique não acreditando na filha rogou aos deuses que punissem a jovem índia. Sua raiva por essa vergonha era tamanha que ele estava disposto a sacrificar sua filha. Porém, numa noite ao dormir o cacique sonhara com um homem que lhe dizia para acreditar na índia e não a punir.

Após os nove meses da gravidez, a jovem índia deu a luz a uma menininha e deu-lhe o nome de Mani. Para espanto da tribo o bebê era branco, muito branco e já nascera sabendo falar e andar.

Passa alguns meses, Mani então, com pouco mais de um ano de repente morreu. Todos estranharam o triste fato, pois não havia ficado doente e nenhuma coisa diferente havia acontecido. A menina simplesmente deitou fechou os olhos e morreu.
Toda a tribo ficou muito triste.

Mani foi enterrada dentro da própria oca onde sempre morou. Todos os dias sua mãe, a jovem índia regava o local da sepultura de Mani, como era tradição do seu povo.
Após algum tempo, algo estranho aconteceu. No local onde Mani foi enterrada começou a brotar uma planta desconhecida. Todos ficaram admirados com o acontecido. Resolveram, pois, desenterrar Mani, para enterrá-la em outro lugar.
Para surpresa da tribo, o corpo da pequena índia não foi encontrado, encontraram somente as grossas raízes da planta desconhecida. A raiz era marrom, por fora, e branquinha por dentro. Após cozinharem e provarem a raiz; entenderam que se tratava de um presente do Deus Tupã. A raiz de Mani veio para saciar a fome da tribo. Os índios deram o nome da raiz de Mani e como nasceu dentro de uma oca ficou Manioca, que hoje conhecemos como mandioca. 

***                                                                              ***                                                                    ***
Foi bom para conversarmos sobre os últimos acontecimentos e suas projeções. O texto que produzimos e as condições gerais, denúncias sobre as violações dos ciganos no Brasil. Aqui vamos nós, quem disse que seria fácil, nunca; mas não precisava ser tão brutal. Em breve o publicaremos aqui.
A realidade dos acampamentos e seu cotidiano nos quatro cantos do país é incrivelmente distinto e triste também. Por hora um poço da cozinha da Maylê e histórias do Brasil.

Cozinha dos Vurdóns

Comentários

  1. Adorei conhecer a lenda, linda, linda!!
    7 beijos brilhantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E logo vc que já ama histórias e lendas.

      bjs nossos

      Excluir
  2. Há virgens assim

    sacrificadas por amor
    injusta mente

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante a lenda. São sempre interessantes estas histórias que pretendem contar o que desconhecemos. Há sempre muita criatividade e imaginação.
    Beijinhos amigos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso país é vasto, por aqui muitos plantaram suas raizes e acabam por deixar essa herança literária assim...real, mística, folclórica e fantástica.
      Sempre há um pedaço de nós em todas elas.

      bjs nossos.

      Excluir
  4. Muito bonita, poética, dramática e com um fim bom...
    Ser cigano, ser diferente traz muitos problemas, eu sei! Tem razão em dizer que não devia ser tão brutal...Fico à espera, já indignada!
    Aqui vão 7 beijos grandes
    Fico a sonhar com a papa de mandioca!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei que sim amiga, anda difícil até escrever sobre coisas leves, lendas e mais. Vamos andando e vamos retirando pedras ... as vezes elas pesam muito.

      bjs muitos de todas nós.

      Excluir
  5. Mais uma receita que ultrapassa largamente a culinária. A história é didática e demonstra que de um acontecimento triste pode ficar uma herança positiva e que perdura. A dureza de certas realidades condói-nos e, como tão bem fazem, só nos resta contribuir para a sua erradicação.

    Abraço apertado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. R,

      Seus comentários nos dão a certeza de que conseguimos passar a idéia dos dois braços a se seguir, um com os ciganos e o outro com o mundo. Os dois braços do preconceito precisa se manter fechado e abaixado para que o mundo ande.

      "embaixo a terra,
      em cima o céu,
      no meio os ciganos".

      bjs nossos e um abraço gigante.

      Excluir
  6. puxa, ficou parecendo todo desenhado e trabalhado!
    :)

    parabéns!

    beijos e bom fim de semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E só puxar com o garfo Daniel.

      bjs e bom fim de semana pra vc também

      Excluir
  7. Qeridas,

    a lenda desconhecia e é linda,
    a receita me abriu o apetite ... sabia que era o garfo.
    a brutalidade infelizmente é uma realidade, nem só de fogos se constroi uma santa.

    com carinho,

    zerafim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E disso tivemos a confirmação zerafim.

      bjs nossos

      Excluir

Postar um comentário

Sejam todos bem vindos.

Postagens mais visitadas