sábado, 12 de maio de 2012

A COZINHA CONVIDA: COMBATA O CRIME DE ÓDIO COM POESIA




 
Era ali, naquele recanto do retrato,
que eu gostava de entrar,
parar junto desse homem de barbas brancas, 
de olhar deserto, insubmisso,
no rasto do sol, no caminho do feno,
com a flor do trigo
e a terra exausta.

Era ali, naquele recanto do retrato,
que eu gostava de ficar,
no horizonte raso,
no silêncio prolongado,
com o canto do seu povo,
e estender-lhe a mão.

Era ali, naquele recanto do retrato,
que eu gostava de viver,
na poalha das auroras,
no ardor dos poentes,
nas noites ao luar,
e poder dizer-lhe
“meu irmão” .

 Mamé

Poema que a nossa amiga Mamé nos enviou, daqui, dos banquinhos da cozinha agradecemos mais esse carinho.





“ Doce Deusa, daí-me saúde, Santa Deusa, daí-me felicidade e graça, para onde quer que eu vá; socorrei-me poderosa e imaculada, dos homens feios, para que eu siga nas estradas até ao lugar que destino; socorrei-me, Deusa; não me abandone, Deusa porque oro pelo amor de Deus.” ciganos da Hungria(Cit. Borrow, Geoge, pág. 20.)


fortune teller 1891 - costume






“Rom nasci, Rom morrerei,
Aonde quer que vás há Rons
Quem tem vergonha da sua língua
Tem vergonha do seu sangue,
Percorreremos a terra
E Rons sempre seremos
Todos os Rons são irmãos” [7].

 Hungarian
Poema cigano:
Auzias, Claire. Os Ciganos ou o Destino Selvagem dos Rons do Leste, Lisboa Portugal: ed. Antigona, 2001.

Texto enviado pela amiga Sonjha - obrigada pelo carinho.

****

O vídeo abaixo é da Anistia internacional e as imagens são fortes.
http://www.amnesty.fr/AI-en-action/Discriminations/Discriminations/Actions/Le-maire-de-Cluj-Napoca-doit-reloger-dignement-les-familles-roms-expulsees-5073



Los Rroma de Baia Mare viven en condiciones extremas de insalubridad. Esta población se hizo tristemente famosa hace una año por la construcción de un muro para separar los Rroma de los no-gitanos. © Mugur Vărzariu.

 ODE AOS POETAS CIGANOS


Ode aos poetas ciganos
com suas palavras Transcrição de rima
para a urze eo campo de milho
da cevada e da videira


Ode aos lares improvisados ​​lá
onde o sol apareceu a cada dia
onde os coelhos e os dedaleiras
cumprimenta cada dia de primavera novo borne


Ode às rotas que viajaram
com as suas caravanas rebeldes
com a luz de Deus para guiá-los
com o destino a tomar a sua mão


Ode à terra que soprou lá
os salgueiros e carvalhos
as músicas que eles cantavam ao amanhecer
a natureza novo casacos


Ode à língua cigana
o folclore e os sonhos que disse
a adivinhação senhoras
a lâmpada permanece feito de ouro


Ode ao trabalho que é oferecido
do recinto de feiras ea poeira
as dores da alma sofreu muitos
o romance, a concupiscência


Ode aos seus encargos cansados
suas habilidades que foram reconhecidos em
as areias do tempo irá consolá-los
em Deus sabemos que eles confiam


Ode as suas instituições
sua sabedoria e suas alegrias
as crianças cheias de riso
os sonhos de menina e menino.


COZINHA DOS VURDÓNS 
Um convite a utopia. 



Sastipê! Eis uma poesia de minha autoria para combater o ódio que existe entre os seres humanos ainda cegos e sem amor...Beijos Perfumados! Ando Sara! Devlesa!

DESEJOS

Ser como como o Vento
é meu desejo...
Nuvens e mares encrespar,
cruzar o firmamento,
na louca inquietação
de ser poeta
e nada ser...


Guirlandas de pétalas tecer
nas campinas estendidas, pôr dentro das conchas
o ruido do mar...
Perfumar de rosas
todos os caminhos.
E passar!


Ó Brisa Zíngara, de asas transparentes
irriquieta e suave
a sussurrar cantigas...


Deixa-me ser tua irmã!
Deixa-me reter tua essência perfumada
e o mistério das noites de verão,
no fundo dos meus olhos deslumbrados!

Quero ser vento,
perpétuo movimento,
murmúrios, ecos nos vales...
Mistério, nuvem que passa,
contínua e eterna mutação!

Cezarina Macedo.


Como não podia deixar de ser, não recuso um convite feito pelas minhas belas Princesas Cozinheiras.
"Combater O Crime do Ódio com Poesia".
Não sei muito bem se é isto que elas querem, mas cá vai a minha poesia. Não quero falar da parte má, da parte que a maioria de nós quer ver, pois há tanto de bom, que se deixarmos a nossa porta aberta, entram de uma maneira que nunca pensámos que fosse possível. E descobrimos coisas lindíssimas.
Cá vai.
Espera! Outra explicação. A poesia tem o cunho da Orquídea, por isso não irá sair coisa boa, eheh.
Vamos lá então!


Era noite e adormeci
Na lua e nas Estrelas ficou o pensamento
Deixei a minha alma voar
Senti próximo um nascimento

A um acampamento fui ter
Senti que já lá tinha estado
Ninguém deu pela minha presença
Ninguém me terá notado?

Uma fogueira no meio
Em volta um Vurdón, lindo!
É aconchegante este espaço
Tudo me estava atraindo

Com cores garridas nos fatos
Mulheres dançavam, sorriam
Tachos. Frutas, legumes
Alimentos que floriam

Crianças corriam
Numa alegria contagiante
Dá vontade ser criança, de novo
Viver esta vida saltitante

Homens tocando instrumentos
Som de música inebriante
Uma presença chama a minha atenção
Uma Estrela, cintilante.

O seu olhar é penetrante
O único que me consegue ver
Conheço este olhar
Uma calma, paz, invade o meu ser

Os seus passo vêm ao encontro dos meus
Deixa o meu corpo preso ao chão
Os seus olhos observam-me por dentro
Sinto o começo de algo, sinto um turbilhão

Passa por mim, rodeando o meu corpo
Ficando imóvel atrás de mim
Os seus braços envolvem o meu ser
No ar um odor a jasmim

Os seus lábios tocam o meu pescoço
Não consigo um só passo dar
Extansiando um perfume o meu ser
Fecho os olhos, não quero acordar!

Um violino toca ao longe
Não sei quanto tempo assim fiquei
Ainda sinto o seu cheiro
Abri os olhos, não o encontrei

Uma criança chega perto
Convida-me para comer
Faço parte das suas vidas
Só demorei a perceber

Serei esta, o EU verdadeiro?
Ou aquela que anda adormecida?
Ter mil vidas numa só
Ou só uma, eternamente vivida?

Quantas vezes fugimos do diferente?
Quantas vezes fugimos do inexplicável?
Com as Princesas Cozinheiras, muito tenho aprendido
Uma Cozinha bastante saudável.

Do blog Orquídea


A tua mão e uma estrela

Pôr do sol do Alentejo
Passa  a caravana
Na velha estrada
As cores e a poeira sobem no ar.

Os pássaros seguem os passos
E o grão, bago de arroz, feijão
Caídos do vurdón.

O canto fica no ar
Os saltimbancos ficam
Nos olhos a sonhar
Da menina à janela.

O caminho do nómada é incerto
O céu azul aquece
O sol escalda
A noite cai.

O céu escuro entristece
A estrela desce
Fria.

A vida corre
A estrada é longa
O fim, seguro, desconhecido.

Tu és tu, eu sou eu
Mas as nossas mãos podem tocar-se
Numa estrela.

O céu negro cintila
Todas as estrelas te seguem
E aquecem a tua estrada.

Nota:

Nunca escrevi poesia na vida.
Mas tinha que responder ao pedido das minhas amigas da Cozinha dos Vurdóns, a quem dedico este “poema-pensamento” e desejo que a compreensão una os seres humanos, todos da mesma raiz, nascido nus...

assinado: O Falcão de Jade 

 Poema-Cigano

Nós, ciganos, temos uma só religião: a da liberdade
Em troca desta renunciamos à riqueza, ao poder, à ciência e à glória
Vivemos cada dia como se fosse o último
Quando se morre, deixa-se tudo: um miserável carroção como um grande império
E nós cremos que nesse momento é muito melhor ser cigano do que rei.
Nós não pensamos na morte. Não a tememos – eis tudo.
O nosso segredo está no gozar em cada dia as pequenas coisas que a vida nos oferece
e que os outros homens não sabem apreciar; uma manhã de sol, um banho na torrente, o contemplar de alguém que se ama
É difícil compreender estas coisas, eu sei
Nasce-se cigano.
Agrada-nos caminhar sob as estrelas.
Contam-se estranhas histórias sobre ciganos
Diz-se que lemos nas estrelas e que possuímos o filtro do amor
As pessoas não acreditam nas coisas que não sabem explicar-se
Nós, pelo contrário, não procuramos explicar as coisas em que acreditamos.
A nossa vida é uma vida simples, primitiva: basta-nos ter por tecto o céu, um fogo para nos aquecer e as nossas canções quando estamos tristes.

Vittorio Pasqualle Spatzo (poeta cigano)

Enviado pela nossa Maria de Cadiz. 


Ser humano
Dois olhos
Dois ouvidos
Uma boca
Pele
Coração
Dois braços
Duas pernas
Sentimentos
Dores
Alegrias
Ama
Respira
Contempla
Pensa
Sofre
Ri
Chora
Nasceu
Morrerá
Alguém sabe quem é?
enviado por Isabel (Palavras daqui e dalí - as palavras que dizem muito) 




O soneto contém a minha viagem fugaz em torno dos ciganos de Coimbra que me alegraram a alma por me receberem bem.

SONETO DA MULHER CIGANA

Sob as estrelas
tecem-se conversas
ao mesmo tempo que se fazem as tranças.

Mãe cigana não sabe para onde se virar,
vê partir as filhas
com o coração desfeito.

O casamento foi combinado,
… de amor só se falará depois, não faltará.
A mulher sabe que a doçura
cria a criança que traz no colo.

As letras ficam adiadas, a tradição conta
que cada mulher sabe o lugar que ocupará
e a lágrima caída retrai-se
pois será a rainha da  noite estrelada.

Nossa doce Ana - (in) cultura


Veia Poética
Aqui vai:

Quem me dera ser cigana
E tratar o tempo por tu
Ter o céu como tecto
E as estrelas como luz.

Ser LIVRE todos os dias
Não sonhar com o amanhã.
Ter os amigos por perto
E, finalmente ser feliz!


Cláudia - da nossa livraria Lumierè.


Maro Dad
(pai nosso)


MARO DAD, KOHN ANDRO BOLLEOASTI, TE VEL I PATUV TER LAVESTI; TE AVEL TRO BARVELEPEN KE MEE; TE VEN TER PENNEPENA SSIR ANDRO BOLEPEN, AKKJAKES TE APRI PHÙ, MARO DIVESSESKRE MAARES DÉ MANDE ADA DIVES; PROSCHKIR AMENDE MAARE GRÈCHEN, SSIR ME PROSCHKIRVAHA MARE DOSCHVALENDE, MA LIGGER AMEM ANDRE GRECHE; HADDE MEEN ASSARE MYDSCHECHEPASTER. TRO HI O BARVELEPEN, TE SÒR TE PATUV DSCHIMASTER DSCHIN KO DSCHYBEN.
ANARANIA.    
Esse não é um poema, caras amigas e irmãs, é o pai nosso, que também nos alcança e nos dá força. Pelo simples fato de também sermos filhos de Deus.
Do nosso anjo - Zerafim   


Não tão a ver com isso, mas é porque sempre lembro de vocês quando minha profa de francês passa músicas - ela gosta de uns músicos contemporâneos que têm influências de música cigana. Acho tão tão tão legal! o último que ela passou foi Thomas Dutronc (depois procura uma música que se chama Demain).
Procuramos e aí está - Do Chefe Daniel (antirestaurante),
a gente achou que tem muiiiiiiiiiiiiiiita coisa a ver sim.

 com as orquídeas do Falcão

"Agustin Rivero", La pared de tu convento

A mi hermana Antonia, doblando la esquina, a cuatro pasos, el de "las monjas marroquíes". Dentro, monja de clausura, mi hermana Antonia "la monja gitana". !Poesía pura!
 Ni tú ni yo lo sabemos...
¿Cómo estará de por fuera
la pared de tu convento,
hermana Antonia...?
¡Ni tú ni yo lo sabemos!
Tú..., dentro, con Dios del brazo,
rezando siempre en silencio...,
y asomándose a tus ojos,
dos angelillos traviesos.
Yo..., como decía madre,
"Mi Agustín, siempre está lejos...".
A su corazón de pie,
y a la verdad de su verso,
le estaba chica la calle,
le estaba chico este pueblo...
No quiso escuchar palabra,
ni quiso escuchar consejo.
Con su verso a flor de labios
se fue soñando despierto...
Niña debía haber sido...
¡Como las cinco que tengo!
Dios y ella me perdonen,
que no volvería yo a hacerlo;
que lo mejor de mis versos...
éramos todos nosotros
¡y, nuestra madre, en el centro!.
 ¿Cómo estará de por fuera
la pared de tu convento,
hermana Antonia?
¡Ni tú ni yo lo sabemos!
¿Habrán escrito los niños
arañando sobre el yeso...?
¿Cómo le habrán hecho daño
las lluvias malas y el viento...?
¿Te acuerdas...?, hermana Antonia,
de aquella espuerta de yeso...,
de aquel cubo de cal blanca
y a nuestra madre, riendo...,
curando y curando heridas
de la pared del convento?
La puso blanca de fiesta...
Y Dios, ¡Que la estaba viendo!,
le mandó una nube blanca
para tapar los remiendos...
Madre se quedó contenta...
rezando su Padrenuestro.
¿Cómo estará esa pared?
¡Ni tú ni yo lo sabemos!
Tú..., dentro, con Dios del brazo.
Yo..., siempre lejos..., muy lejos.
Golpeándome la frente
este montón de recuerdos...
que, poco a poco, me matan...
y, de pie...,¡Me tienen muerto!.
 Agustín Rivero

Gracias Zerafim - besos de nosotras 

****

O retrato poético de um grande fotógrafo - uma acervo para  a memória.
http://www.robert-doisneau.com/fr/portfolio/gitans.htm

Couple de chaudronniers, Plan de Grasse

Juin 1969



Le coffre des étameurs, Plan de Grasse

Juin 1969


L'heure de la prière, Montreuil

1950



Maline, gitane de Montreuil

1950

A poesia do cotidiano, de quem trabalha, a poesia da realidade da Rromá. A poesia fotográfica.
A Poesia carinhosa que a R. nos mandou,
veio junto com um abraço bem apertado.

54 comentários:

  1. É lindo.
    Bom fim-de-semana para todas
    Beijinhos amigos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ue gostou, vamos ver se conseguimos um bom número de poesias, daquelas que diga não a estpidez do ódio e da violência.

      bjs nossos e bom fim de semana pra você Isabel,

      Excluir
  2. Sastipê! Gostei da vossa iniciativa,porque a poesia faz parte do tecido diáfano da Alma,do tecido dos sonhos!E também porque a Beleza,a Bondade e a Verdade caminham juntas,segundo os filósofos da Grécia antiga.Poderiam,por favor,me dizer em que língua foi escrita esta poesia? Me pareceu que seja o inglês...Qual o autor,etc. Gostaria de lê-la na versão original,pois me revelaria melhor seus significados,porque a tradução sempre interfere na intenção expressiva do autor dos versos.Gestena desde já!Ando Sara!Beijos revestidos de poesia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, clic na foto e ela te levará lá, é da Ucránia, mas traduzi do inglês rsrsrsrs.
      Mande a sua poesia, para colocarmos junto com a nossa, essa é a idéia.

      bjs muitos.

      Excluir
    2. A Utopia passa pela Poesia também!
      Como diz Cezarina: "a poesia faz parte do tecido diáfano da Alma,do tecido dos sonhos!"
      Beijinhos! Nunca me esqueço de vocês!

      Excluir
    3. Nem nós de tí, querida amiga.
      Pela utopia, Falcão semeador.

      bjs

      Excluir
  3. A pena sempre será mais forte que a espada! A pena que homenageia a humanidade é-o muito mais.
    Beijinhos e boa semana para todas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nisso que acreditamos e por isso lutamos.

      bjs nossos

      Excluir
  4. Magnífico poema!
    Quanta verdade e uma excelente maneira de combater o mal...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nais tukê querida,
      gostei muito do poema também e acredito que conseguiremos lutar por algo mais pacífico em relação a violência contra os rromá, a situação tem piorado muito.

      bjs nossos

      Excluir
  5. a pena contra o ódio! Adoro essa filosofia!!

    Não tão a ver com isso, mas é porque sempre lembro de vocês quando minha profa de francês passa músicas - ela gosta de uns músicos contemporâneos que têm influências de música cigana. Acho tão tão tão legal! o último que ela passou foi Thomas Dutronc (depois procura uma música que se chama Demain).

    beijos!

    ResponderExcluir
  6. E precisamos acreditar que ela vencerá Daniel.

    Vou procurar e te digo, ando com tanto nome na cabeça que nem imagina.

    bjs nossos

    ResponderExcluir
  7. Respostas
    1. Me atrevo a pedir uma rima sua. Sem muros nem ameias.

      bjs

      Excluir
  8. E a poesia é para escrever onde?
    7 beijos brilhantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manda pro e-mail ou posta aqui que eu coloco.

      bjs, vou amar.

      carinhos de todas nós

      Excluir
  9. Sastipê! Eis uma poesia de minha autoria para combater o ódio que existe entre os seres humanos ainda cegos e sem amor...Beijos Perfumados! Ando Sara! Devlesa!

    DESEJOS

    Ser como como o Vento
    é meu desejo...
    Nuvens e mares encrespar,
    cruzar o firmamento,
    na louca inquietação
    de ser poeta
    e nada ser...


    Guirlandas de pétalas tecer
    nas campinas estendidas, pôr dentro das conchas
    o ruido do mar...
    Perfumar de rosas
    todos os caminhos.
    E passar!


    Ó Brisa Zíngara, de asas transparentes
    irriquieta e suave
    a sussurrar cantigas...


    Deixa-me ser tua irmã!
    Deixa-me reter tua essência perfumada
    e o mistério das noites de verão,
    no fundo dos meus olhos deslumbrados!

    Quero ser vento,
    perpétuo movimento,
    murmúrios, ecos nos vales...
    Mistério, nuvem que passa,
    contínua e eterna mutação!

    Cezarina Macedo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ando Sara...bjs querida e nais tukê, é linda.

      Excluir
  10. Uma Ode a um povo que merece um lugar ao sol sem nuvens nem a chuva da discriminação. Tudo bonito.
    Beijinhos e saudades para as nove! :)x9

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Merece sim querida e vamos tentar ajudar o quanto pudermos.

      bjs muitos e saudades

      Excluir
  11. Belas Princesas, o poema está no meu blogue.
    Espero que gostem.
    Nais tukê
    7 beijos brilhantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois agora está aqui.

      bjs de todas nós, para a orquidea mais bela.

      Excluir
    2. E o que eu gostei de o ver por aqui..
      Beijos brilhantes

      Excluir
    3. outros tantos pra você... bjs Carlota

      Excluir
  12. Sastipê,queridas!Agradeço a postagem! Continuemos a caminho.Ando Sara!Beijos brilhantes e perfumados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é muito querida, não imagina o quanto.

      bjs nossos

      Excluir
  13. Poema-Cigano




    Nós, ciganos, temos uma só religião: a da liberdade
    Em troca desta renunciamos à riqueza, ao poder, à ciência e à glória
    Vivemos cada dia como se fosse o último
    Quando se morre, deixa-se tudo: um miserável carroção como um grande império
    E nós cremos que nesse momento é muito melhor ser cigano do que rei.
    Nós não pensamos na morte. Não a tememos – eis tudo.
    O nosso segredo está no gozar em cada dia as pequenas coisas que a vida nos oferece
    e que os outros homens não sabem apreciar; uma manhã de sol, um banho na torrente, o contemplar de alguém que se ama
    É difícil compreender estas coisas, eu sei
    Nasce-se cigano.
    Agrada-nos caminhar sob as estrelas.
    Contam-se estranhas histórias sobre ciganos
    Diz-se que lemos nas estrelas e que possuímos o filtro do amor
    As pessoas não acreditam nas coisas que não sabem explicar-se
    Nós, pelo contrário, não procuramos explicar as coisas em que acreditamos.
    A nossa vida é uma vida simples, primitiva: basta-nos ter por tecto o céu, um fogo para nos aquecer e as nossas canções quando estamos tristes.

    Vittorio Pasqualle Spatzo (poeta cigano)

    ESpero que gostem, muitos beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, a nossa Maria de Cadiz - Não, não gostamos, amamos e ainda mais porque veio de você ... bjs muitos querida.

      Excluir
  14. Não tinha percebido que era para mandar um poema. Percebi depois do comentário que me deixaram, e agora vim aqui e vi com surpresa tantos textos tão bonitos.
    Ia deixando escapar...
    Não sei se consigo fazer alguma coisa à altura, mas se não for capaz procuro um. E depois mesmo que já venha atrasada, mando.

    O filme impressionou-me.Como é que se pode ter tanto ódio? Com é que as pessoas são criadas para chegarem a isto? Como conseguem rir? Não consigo compreender...

    Beijinhos amigos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabel,

      Carinhos como os teus jamais chegam atrasados, sempre é hora de lutar, ver e começar a entender que esse mecanismo existe e que está no meio de nós, mesmo que com flores, temos que acreditar nas primaveras que combatem as querras ... sempre.

      bjs nossos

      Excluir
    2. Fiquei orgulhosa de participar neste "momento" de participação contra o ódio, com um poema na mão...

      Descobri tantos talentos!
      Começando pela Ode aos poetas ciganos

      "Com suas palavras transcrição de rima
      para a urze eo campo de milho
      da cevada e da videira."

      O poema de Vittorio Pasqualle Spatzo, poeta cigano (mandado pela Maria)...

      Linda a poesia da Isabel, tão simples e séria, tão essencial: um homem.

      "Sentimentos
      Dores
      Alegrias
      Ama
      Respira
      Contempla
      Pensa
      Sofre
      Ri
      Chora"

      E os versos da Carlota (essa, uma grande poetiza!)sempre igual a ela, no entusiasmo, no romantismo e boa disposição:

      "Uma fogueira no meio
      Em volta um Vurdón, lindo!
      É aconchegante este espaço
      Tudo me estava atraindo

      Com cores garridas nos fatos
      Mulheres dançavam, sorriam
      Tachos. Frutas, legumes
      Alimentos que floriam"

      Ou os versos de Cezarina:
      "Brisa Zíngara, de asas transparentes
      irriquieta e suave
      a sussurrar cantigas..."

      Fico contente de me ver no meio de tantas flores!
      7 Beijos

      Excluir
    3. Querida MJ,

      E o que fazer com você??? a não ser desejar que esse lindo falcão, abra suas asas e voe sempre mais e mais preciso na beleza da alma e na leveza que já lhe são tão próprios.

      amo você amiga.

      bjs de todas nós

      Excluir
    4. O meu Belo Falcão Lunar, que grande escrita a tua. Gostei muito de te ler.
      Beijinhos do nosso Alentejo

      Excluir
  15. Amigas,
    Aqui deixo um soneto feito num intervalo do trabalho. Por andar muito concentrada a imaginação fica atrofiada.:(

    SONETO DA MULHER CIGANA

    Sob as estrelas
    tecem-se conversas
    ao mesmo tempo que se fazem as tranças.

    Mãe cigana não sabe para onde se virar,
    vê partir as filhas
    com o coração desfeito.

    O casamento foi combinado,
    …de amor só se falará depois, não faltará.
    A mulher sabe que a doçura
    cria a criança que traz no colo.

    As letras ficam adiadas,
    a tradição conta que cada mulher sabe o lugar
    que ocupará e a lágrima caída retrai-se
    pois será a rainha da noite estrelada.

    Com os meus nove beijinhos e que a vossa luta perdure e seja frutuosa. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana querida,

      Nais tukê por tudo o quez, pois sua coragem e disposição abriram portas entre dois países e fizeram com irmão se encontrassem.

      9 mil bjs grandes.

      Excluir
  16. Queridas amigas,
    Obrigada, a imagem que escolheram é linda!
    Beijinhos mil. :)

    ResponderExcluir
  17. Amigas,
    Procurei, procurei, mas veia poética não encontrei. Mas tratando-se de um pedido vosso, lá me esforcei. (Ha, ha, ha!!)
    Aqui vai:

    Quem me dera ser cigana
    E tratar o tempo por tu
    Ter o céu como tecto
    E as estrelas como luz.

    Ser LIVRE todos os dias
    Não sonhar com o amanhã.
    Ter os amigos por perto
    E, finalmente ser feliz!

    Beijinhos poéticos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cláudia,

      Nossa livraria, porque sabemos que por lá encontramos, versos, gente, poesia e verdade. Carinhosamente,

      bjs nossos

      Excluir
    2. Tantas poesias por amizade! Gostei imenso das quadras populares da nossa CLáudia e do "clássico" soneto da Ana!
      Vocês é que merecem!Se não, não tinham tantas amigas...
      beiinhos a todas!!!!!!!!!
      E umas flores...
      http://olhardofalcao.blogspot.pt/2012/05/sem-titulo.html

      Excluir
    3. Já as roubei. O mérido de quem acode a um pedido é a grandeza de poder ver a necessidade.

      bjs nossa linda amiga Falcão

      Excluir
  18. :)

    que bom que gostaram da música

    e que bom que tem tanta gente comentando aqui

    :)

    beijos e ótimo fds!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel,

      Que bom que tem pessoas como você. Obrigada pela descoberta.

      bjs nossos

      Excluir
  19. Que bonito o poema de Augustín Rivera! Obrigada por porem as minhas flores...
    Sempre atenta por aqui...7 beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida, também gostamos muito, nenhuma de nós conhecia esse presente da zerafim. As orquideas são lindas, não resisti, roubei e coloquei por aqui.

      bjs nossos

      Excluir
  20. Também não sei escrever poesia, mas junto o meu apelo ao vosso e deixo um retrato poético de um grande fotógrafo que não excluiu os ciganos do seu testemunho.
    http://www.robert-doisneau.com/fr/portfolio/gitans.htm

    Um abraço apertado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda R, quem disse que não se escreve poesia através de carinho. Obrigada pela lembrança e muitos abraços apertados.

      bjs nossos

      Excluir
  21. Lindas fotografias, R! Que mundo! E tantos amigos...

    ResponderExcluir
  22. Eu é que agradeço, queridas amigas, e fico feliz por valorizarem este pequeno gesto.
    Um abraço reforçado que a todas inclui (sem esquecer a MJ Falcão).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa senhora - MJ Falcão, já é membro confesso dessa cozinha, entretanto os pequenos gestos de carinho, como o seu R, faz com que nossa mesa aumente e a festa continue.

      bjs nossos e sempre seja bem vinda.

      Excluir
  23. Venho só deixar um beijinho.
    Tenho vindo aqui espreitar cada coisa nova que vai chegando.
    Tudo lindo.
    Beijinhos amigos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom querida amiga, e como tem chegado coisa nova ... adorei ver você aqui. bjs nossos

      Excluir
  24. Bem, venho dizer que achei muito bonita a poesia dessa "ciganita" Mamé...
    Beijinhos

    ResponderExcluir

Sejam todos bem vindos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves