sexta-feira, 19 de julho de 2013

A COZINHA CIGANA NA COZINHA DOS VURDÓNS

La Zingara
Caravaggio - 1574.

COZIDO DA MAYLÊ



Esse é nosso mesmo. Já vimos de várias formas, sentamos e experimentamos, mas esse ninguém copia. O jeito certo é fazer ao ar livre, com tempo, num tripé com a panela de ferro dependurada, gente amiga conversando e muita alegria. Bom, como ele é forte, esquenta a alma.


Base da receita:


½ k de feijão branco (coloque de molho)

4 colheres de sopa de azeite, misturado com 1 cabeça de alho amassada, 2 cebolas pequenas raladas, 1 colher de sopa cheia de sal (aqui usamos sempre a flor de sal), misture tudo e acrescente o sumo de 2 limões Taiti – o verdinho. Deixe incorporar tudo. Enquanto isso prepare as carnes.

1 calabresa média, picada em pequenos quadrados,

1 xícara de chá de barriga de porco também picadinha em quadrados.

1 peça de costelinha sem gordura, cortadinha com osso e tudo. Tipo 4 centímetros. (por cá, pedimos ao senhor do açougue que corte na máquina para nós.

Escalde as carnes com água quente.


Chegou a hora:


Coloque a caçarola de ferro no fogo e ponha logo uma chaleira pra ferver uns dois litros de água.


Com a panela quente, coloque os temperos e acrescente 2 pimentas de cheiro fatiadas – sem sementes, ½ maço de cebolinha fresca, dois tomates picados em quadradinhos e uns 6 jilós, picados finamente, mexa tudo até começar a ficar grudadinha na panela. Acrescente as carnes que escaldou, mexa e tampe por uns 5’. Vai juntar água e fritar na própria gordura. Quando a água secar, coloque 1 xícara de café de água fria e mexa, vai secar de novo e você volta a colocar a xícara pequena de água – nesse vai e vem você fica até que tudo esteja dourado.


Escorra o feijão e acrescente a panela, mexa bem e despeje os dois litros de água quente. Tampe a panela e de vez em quando volte para dar mais uma mexida. Volte a esquentar água – 2 litros e quando tiver secado a metade da água da panela, repita a operação e despeje mais essa água quente. Mexa e tampe.


Da próxima vez que a água secar, coloque 2 litros de água fria e mexa, fique mexendo com a panela sem tampa, até ferver e engrossar. 


Por cá, só nos resta as cuias pra servir, o pão pra acompanhar e essa saudade que as vezes não sabemos de onde vem ou pra onde vai, mas que nos deixa sempre em paz.


 
 Leonardo da Vinci, 
“Testa di Scamuccia”, Oxford, Chunch


Cozinha dos Vurdóns.

















 La Societá Zingara

16 comentários:

  1. Hummm e neste friozinho que está fazendo por aqui, uma comida cigana, a ideia de que muitos já se reuniram e se reúnem sob a luz da lua para sentir este mesmo sabor, aquece muito.

    Beijos em todas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nessas horas que se discute as coisas, se fala da vida, das descobertas e se arranja casamento rsrsrsrs além de outras coisas.

      bj grande

      Excluir
  2. aqui em Jampa está um fim de semana chuvoso bem adequado para um cozido de feijão branco desses!

    costumo fazer bastante também, mas eu coloco um pouco de tomate picado para mesclar com a cor do feijão brando.

    beijos e ótimo fim de semana!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aonde é jampa Daniel?
      Pois é, pode entrar no refogado sim, mas eu prefiro com o feijão mulatinho.

      bj grande

      Excluir
  3. Maravilhoso cozido! Fiquei com inveja, mas por cá está calor agora, não apetece muito...
    Um beijo grande! A imagem é belíssima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu guardo um pratinho, quando esfriar estará lá.

      bjs muitos.

      Excluir
  4. Um cozido um pouco diferente do nosso português, mas deve ser saboroso à mesma.
    O que é jiló??
    Como o Falcão Lunar diz, com o calor, não apetece muito, mas se o apanhasse à minha frente, aiai, eheh.
    Como sempre, este cantinho aconchega e muito.
    7 beijinhos brilhantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou tentar de dizer o que é jiló - mas gostamos muito.

      Guardo pra vc também, um pratinho.

      bj grande,

      Excluir
  5. Olá, que bom é voltar aqui, descobrir que tenho fome e que vocês são sempre uma fonte de paz e de esperança! Esse feijão tão mimosamente elaborado, tem que ser uma delícia !!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cozinha é sua e estamos sempre aqui, agarradas em vc.

      bjs e saudades.

      Excluir
  6. Cheira muito bem.
    Deve ser delicioso é diferente do que se faz cá em casa. Anotei a receita.
    Queridas Amigas deixo 7 beijinhos e agradeço esta receita.:)))))).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cheira bem é ótimo. Será um prazer ve-la na sua mesa.

      bjs nossos

      Excluir
  7. Fiquei imaginando e viajei num tempo sem tempo, quando li sobre a panela de ferro dependurada no tripé e ao ar livre ... meus sentidos, todos, se manifestaram ... e me identifiquei profundamente aqui: '...essa saudade que as vezes não sabemos de onde vem ou pra onde vai, mas que nos deixa sempre em paz...! é assim comigo também!

    Feijão branco eu gosto demais e salivei !!! Senti que deve ser maravilhoso este cozido!

    Cinque grandi baci!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É querida, o nosso coração dificilmente se engana...é saudade de casa.

      bj grande

      Excluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Sejam todos bem vindos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

SOU CIGANO - Bruno Gonçalves