PORTUGAL COM CHEIRO DE ALECRIM

Hotel Oriente - Portimão - Portugal
ALECRIM: mais que tempero, uma dádiva. (Portimão/PARTE 1)

Nosso passeio todas as manhãs.

Assim começamos nossa viajem, com perfume de alecrim. Num vurdón diziam as mais velhas: não pode faltar, o alecrim, a mirra, o funcho, arnica, espinheira santa, canela, babosa e guiné. Tem também a folha de cana e o caroço do abacate, mais isso é outra conversa...

Em Portimão (cidade do litoral sul de Portugal) tivemos a oportunidade de cozinhar e o alecrim foi o rei. Acompanhados de vinho verde (que jamais abandonaremos) ficam aqui nossas receitas, com gostinho de saudade e gratidão. Aos portugueses e ao atlântico.


Tomates ao forno com alecrim

Pois bem, separe 3 tomates maduros, belos e fortes e corte-os ao meio. Forre um refratário com alumínio e os coloque lado a lado. Salpique alecrim seco, orégano seco, sal e azeite. Coloque rapidamente no forno quente até que comece a murchar. Sirva logo.


Batatas assadas com alecrim

Pegue agora 500 grs de batatas miúdas com casca e tudo. Coloque-as para ferver com sal e 5 cravos  por 10’. Retire e coloque-ás numa forma forrada de papel manteiga. Despeje azeite, 2 colheres (sopa) de vinho branco), 1 colher 9sopa) de alecrim fresco, sal e pequenos pedaços de manteiga. Leve ao forno até que estalem.



Churrasco com alecrim

Primeira dica – quando for umedecer a carne ou asado, faça-o com pincel de alecrim fresco. Escolha a carne a ser temperada para assar e a parte faça o seguinte molho (para 1 kg de carne):

½ copo de água, ½ copo de azeite, ½ copo de vinho tinto, 1 colher de orégano, 1 colher de sal grosso, 1 colher de alecrim, 5 dentes de alho bem amassados ou 5 colheres de molho de alho e 1 colher de (sopa) de páprica doce. Misture tudo e mergulhe a carne nessa mistura – um pedaço de cada vez e vá colocando na grelha para assar. Com o restante do molho, vá passando com pincel de alecrim para não secar a carne.


Existe uma graciosa lenda a respeito do alecrim: Quando Maria fugiu para o Egito, levando no colo o menino Jesus, as flores do caminho iam se abrindo à medida que a sagrada família passava por elas. O lilás ergueu seus galhos orgulhosos e emplumados, o lírio abriu seu cálice. O alecrim, sem pétalas nem beleza, entristeceu lamentando não poder agradar o menino. Cansada, Maria parou à beira do rio e, enquanto a criança dormia, lavou suas roupinhas. Em seguida, olhou a seu redor, procurando um lugar para estendê-las. “O lírio quebrará sob o peso, e o lilás é alto demais”. Colocou-as então sobre o alecrim e ele suspirou de alegria, agradeceu de coração a nova oportunidade e as sustentou ao sol durante toda a manhã. “Obrigada, gentil alecrim” – disse Maria. “Daqui por diante ostentarás flores azuis para recordarem o manto azul que estou usando. E não apenas flores te dou em agradecimento, mas todos os galhos que sustentaram as roupas do pequeno Jesus serão aromáticos. Eu abençôo folha, caule e flor, que a partir deste instante terão aroma de santidade e emanarão alegria.”


ALECRIM


O alecrim é uma planta funerária. Os antigos acreditavam que o aroma do alecrim conservava os cadáveres, e sob esta crença, queimavam nas cerimônias fúnebres quantidades enormes d'esta planta aromática.

No norte, os que acompanham os mortos á ultima morada, levam consigo um ramo de alecrim por ser em virtude da folhagem sempre verde símbolo da imortalidade.

Os romanos ornamentavam os Lares com alecrim e empregavam-no como meio de purificação após as festas phallicas, crendo que ele tinha a propriedade de dar uma mocidade eterna.

Em algumas províncias de França é vulgar a crença de que as flores de alecrim em contacto com o corpo dão a alegria e felicidade a quem as traz. Para os cretenses é símbolo da sinceridade.

Dizem que foi sobre ele que a Virgem Maria estendeu a secar as primeiras roupas que vestiu a Jesus.

Na Andaluzia é também o alecrim muito estimado, pelo motivo de ter escondido a Virgem quando com o divino filho fugia á perseguição dos soldados de Herodes.

Na Sicilia corre que é no alecrim que se escondem as fadas disfarçadas em serpentes.



É também originaria d'aquele pitoresco recanto d'Itália a seguinte lenda relativa ao alecrim:

—Uma rainha estéril tanto contemplou os numerosos ramos e as verdes folhas de um copado alecrim que concebeu d'ele, tendo um pequenino alecrim, que plantou em luxuoso vaso regando-o quatro vezes ao dia com leite. Um sobrinho da rainha, intrigado com o caso, roubou o vaso e conservou a planta, regando-a com leite de cabra. Um dia, que estava tocando deliciosamente flauta, viu sahir do centro do alecrim uma formosa princesa, de quem ficou logo apaixonado.


Obrigado, porém, a partir para a guerra, recomendou insistentemente a planta ao jardineiro do palácio, para que olhasse por ela com todo o cuidado. As irmãs do príncipe encontrando a flauta foram tocar para junto do vaso, e vendo sahir do alecrim a formosa princesa, ficaram tão cheias de inveja que a agarraram e desapiedadamente a moeram com pancada. A  princesa desapareceu e o alecrim começou logo a murchar. O jardineiro escondeu-se para fugir ao castigo que receava, mas indo uma noite inesperadamente a casa, vê a mulher em colóquio intimo com um dragão, que lhe dizia que no alecrim estava encantada uma princesa, que morreria com a planta, se esta não fosse regada com gordura humana.

O jardineiro, então, entra de improviso, mata o dragão e a esposa culpada, derrete-os e com a gordura rega o alecrim. O encanto foi desfeito e a princesa readquiriu a liberdade e a saúde desposando pouco depois o príncipe, a quem amava.
LENDAS DOS VEGETAES/POR EDUARDO SEQUEIRA. - PORTO—1892.

Cozinha dos Vurdóns











Comentários

  1. Caras Amigas, Portimão é no sul de Portugal.
    Gosto de colocar alecrim nos meus cozinhados, mas nunca soube a sua história, Obrigado.
    :)

    ResponderExcluir
  2. Obrigada você pela correção a tempo de um estrago que não seria perdoado por nós, com certeza. Obrigada você.

    Cozinha dos Vurdóns

    ResponderExcluir
  3. O alecrim faz parte da minha infância, da minha essência, mas desconhecia as suas bondades culinárias. Aprendo muito com vocês de cozinha e de muitas coisas.
    Gostava de saber o que significa exactamente "cozinha dos vurdóns"
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. COZINHA DOS VURDÓNS - É a comida dos carroções (vurdóns), dos Rhom, dos camponeses, dos mômades e dessa gente simples que faz do céu seu teto, da terra seu sustento e da liberdade sua religião. Essa cozinha dita desconhecida mudou o rumo de muitos países, definiu a base da culinária mundial e hoje está despercebida no nosso dia a dia. É o caso do alecrim, por exemplo.
    Tentamos o resgate da cozinha dos povos ciganos no mundo todo, dos povos mômades e etc...daquilo que foi incorporado e de como está no nosso dia a dia sem preconceito e sem discriminação.
    a Cozinha que une os povos, a raça humana e suas etnias.

    5 bjs - das 5 cozinheiras dos Vurdóns.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada pela aclaração, sou a Maria, mas a minha conta do Google não funciona, só posso mandar comentários como Anónimo...
    Mando-vos muitos beijinhos, para as cinco, claro.
    Maria

    ResponderExcluir
  6. Já és nossa MARIA d'Espanha. ficamos felizes em esclarecer.

    5 bjs

    ResponderExcluir
  7. Cozinha dos Vurdóns,
    Que história mais bonita esta do alecrim. Aprendo sempre que aqui venho.
    Hoje é Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
    Um bom dia para todas vós e obrigada por estas receitas com cheirinho a alecrim!
    Por aqui é uma flor que se vê muito na altura da Páscoa, benze-se no Domingo de Ramos e no Domingo de Páscoa os afilhados oferecem-nos às madrinhas que os deitam fora no ano seguinte.

    5 Bjs! :)))))

    ResponderExcluir
  8. Aprendemos nós com seu amor. Já passamos por lá e deixamos um pouco da nossa admiração.

    bjs e obrigada, sempre.

    5 bjs

    ResponderExcluir
  9. Me perdõem por corregir-los mas precisso avisar-lhes que aqui tem um pedaço praticamente ilegível aqui, porque esta preto sobre preta, as imagens estão belas, porém esta muito dificil ler as receitas a partir de alecrim mais do que um tempero uma dadiva até as duas últimas palavras que com muito esforço li "secar a carne" e por ser um blogue maravilhoso me atrevi a pedir que corrijam

    ResponderExcluir
  10. Se acha isso atrevimento Charito, faça, não há problema algum, as vezes isso acontece quando mudamos o fundo da página. Obrigada por dar um toque e faça-o sempre. A cozinha é nossa.

    5 grandes bjs

    ResponderExcluir
  11. O alecrim e a sálvia são as minhas ervas prediletas para cozinhar.
    Até nos meus sucos matinais andei acrescentando alecrim.
    Eu gosto muito do perfume e do sabor.
    O post é lindo, amei.
    Beijos amores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Visitar essa região é se banhar no mar e no alecrim.

      bjs

      Excluir

Postar um comentário

Sejam todos bem vindos.

Postagens mais visitadas